quarta-feira, 10 de abril de 2013

Retrato do inerte

Ela abriu os olhos, despertando sobre a grama verde, era outono.
Sua primeira visão foi do céu, que naquele dia não estava azul e límpido.
Suas pupilas pareciam dilatadas, tudo tremia, tudo ao seu redor e dentro de seus seios.
Sentiu os lábios tremerem e seus cabelos tremiam ao vento, que anunciava a chuva fora de época.
Seus cabelos se confundiam com o tremor da grama. Ah! Se não fosse o preto de seus cabelos, eles seriam um só.
Naquele momento apenas algo importava. Naquele dia ela descobriu, descobriu que seu corpo tremia por ter descoberto um mundo novo.
O meu mundo!


26/03/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário