quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

De antagônico, só o discurso.

Estou farto de mensagens de saudade.
Folheio lembranças e encontro discursos ininterruptos,
Cheios de mel com gosto de dor
E morango com frescor de ópio.

Estou farto de mensagens de saudade.
Dessas que não tem vergonha de mentir,
Essas mensagens que voam como saliva,
De boca em boca usurpando sentimentos bons.

Estou cheio de sentimentos de saudade,
Desse que sai da goela com gosto doce de incenso de absinto.

Estou cheio de saudade,
Que esqueço quando danço a dança mais eloquente,
Da língua da vida.

A língua ferina de saudade,
Que corta o céu da minha boca,
Que atordoa o sentimento,
Que me faz concentrar em um corte ardente que apaixona.

Nenhum comentário:

Postar um comentário